Feeds:
Posts
Comentários

Os canhotos provavelmente passam por algumas dificuldades que os destros nem imaginam, como se adaptar às carteiras que são especificamente feitas para o apoio do braço direito, o posicionamento dos mouses, o formato do abridor de latas, entre muitas outras situações. Contudo, existem muitos aspectos sobre os canhotos que várias pessoas desconhecem; características que fazem esse grupo de pessoas bastante singular em alguns casos.

Os canhotos estão por todos os lados, porém às vezes simplesmente parece que nós nos esquecemos deles. Muitos cientistas já tentaram explicar o porquê de certos indivíduos serem canhotos – e já ficou claro que o gene canhoto é completamente inexistente. Como já noticiamos aqui no Mega Curioso, outros fatores sociais fazem com que as pessoas sejam canhotas ou não. Então vamos lembrar aqui (ou conhecer) alguns fatos interessantes sobre esses seres humanos mais raros:

  • Estima-se que 10% da população mundial é composta por canhotos (enquanto 50% dos gatos são considerados canhotos!);
  • Grande parte dos canhotos desenha figuras que se voltam para o lado direito;
  • O Dia do Canhoto é 13 de agosto;
  • A probabilidade de ser canhoto é maior entre gêmeos;
  • Canhotos se destacam mais em esportes como tênis, esgrima, beisebol e natação;
  • Aliás, quase 40% dos melhores tenistas profissionais são canhotos;
  • Em diversas culturas (inclusive há muitos anos no Brasil), os canhotos eram obrigados a usar a mão direita;
  • Os canhotos foram extremamente discriminados no século 18 e 19, sendo que em determinadas épocas escrever com a mão esquerda significava algo ruim e era passível de morte;
  • Estudos já afirmaram que metade dos canhotos usam o mouse com a mão direita;
  • Os canhotos são mais numerosos em pessoas com o QI acima de 131;
  • Estatisticamente, mulheres acima de 40 anos têm mais chances de ter filhos canhotos;
  • Os canhotos normalmente possuem habilidades criativas mais acentuadas;
  • A mão direita é mencionada positivamente mais de 100 vezes na Bíblia, sendo que a mão esquerda é mencionada somente 25 vezes, todas negativamente;
  • Canhotos se dão bem em matemática;
  • Conforme estatísticas americanas apontam, os canhotos ganham menos dinheiro do que os destros;
  • Homens são mais propensos a ser canhotos (e os homossexuais ainda mais!);
  • De acordo com estudos americanos, os canhotos se irritam mais facilmente do que os destros.

Fonte: 16 coisas que vc não sabia sobre canhotos

Albrecht Dürer

Considerado o maior artista alemão da Renascença – Albrecht Dürer, utilizou-se de vários meios de expressão, ficando conhecido pelas delicadas aquarelas da vida animal e vegetal, mas não somente por esses trabalhos; suas xilogravuras expressam dramaticidade e as elaboradas gravuras em metal religiosos, as quais ainda em vida lhe deram fama internacional.

Misturando em sua arte tradições nórdicas e meridionais, sua arte é profundamente influenciada pela pintura veneziana.
Homem independente, orgulhoso de sua aparência física e de seu talento, Albrecht Dürer era um homem de rara inteligência e cultura, mantinha um relacionamento com humanistas e eruditos e, entre clientes de expressão incluía-se o Imperador Maximiliano I.

Foi persuadido em seus últimos anos de vida pela Reforma luterana, demonstrando assim uma profunda religiosidade.
Entre 1525 e 1528, Dürer edita suas obras teóricas sobre a representação artística da natureza e do homem – e esses problemas jamais deixaram de acompanhá-lo em sua trajetória de criação. Mas sua riqueza e flexibilidade expressas em seu talento permitiram-lhe, a qualquer momento, retomar as suas preocupações de ordem espirituais. Foi um participante ativo da Reforma de Lutero, pçintando em 1526 Os Apóstolos João, Pedro, Paulo e Marcos, doando o trabalho ao Conselho de Nuremberg. Faz contar um texto na parte inferior das pinturas, causando polêmicas religiosas, uma advertência contra os falsos profetas. Neste momento sua obra toma-se num aspecto de manifesto de propaganda e traduz plenamente o seu engajamento. Dando visível intenção nas quatro figuras gigantes, que preenchem todo o espaço dos painéis e exprimem de maneira dramática sua religiosidade.

“Só uma mente árida não possui autoconfiança para encontrar o caminho de algo que está além, arrastando-se por alguma trilha gasta, contente de imitar os outros e sem a iniciativa de pensar em si mesma”. São suas essas palavras, e com um espírito indagador e insaciável curiosidade sua obra é a melhor expressão dessa curiosidade e desse espírito indagador que o impulsionam.

Espírito incansável que o levou a posição de primeiro mestre da Renascença alemã. Da oficina paterna em Nuremberg, impregnada de tradição medieval, para conquistar esta posição privilegiada de mestre dos mestres.
Albrechr Dürer tinha em sua arte um profundo enraizamento da tradição nórdica a qual expressa durante suas visitas à Itália e com o Renascimento.

Seu primeiro trabalho foi publicado em 1498, as ilustrações para O Apocalipse de São João, logo após ter regressado da Itália, demonstrando, simultaneamente, aquilo que fazia dele um novo modelo de artista do norte alpino e aquilo que ainda o ligava às formas antigas: em O Apocalipse exaltou o fantástico sem se desligar do real. As visões aterrorizantes do fim do mundo eram correntes na época, e muitos mantinham a crença que tudo terminaria no ano de 1500, a doença, a guerra e o turbilhão que envolviam a Europa encontravam expressão em suas imagens violentas e vibrantes.
Somente Rembrandt (1606-1669) teria se igualado a sua maestria como gravador.

A técnica da xilogravura já era popular na Alemanha, mas sendo utilizada por Albrecht Dürer atingiu uma nova dimensão expressiva. Utilizava-se de uma chapa fina de madeira para traçar seus desenhos depois entalhada por artesãos; as partes salientes recebiam uma aplicação de tinta e, a seguir eram impressas em papel. Albrecht Dürer fez uso nesses impressos das técnicas italianas de desenhos de figuras, sobretudo das linhas curtas e “modeladoras” que lhe conferiam volume – de tal forma que seus anjos, demônios e homens possuem uma força tridimensional, até então desconhecida na xilogravura.

Sob vários aspectos, contudo, as xilogravuras de O Apocalipse ainda estavam enraizadas nas tradições nativas de Albrecht Dürer e jamais poderiam passar por uma obra italiana. Estudara com os italianos, mas utilizando-se de seu aprendizado expressando um sentimento religioso, simultaneamente pessoal e apaixonado. Os rostos atormentados, as multidões amontoadas e os demônios odientos trazem características inteiramente particulares.

Dando continuidade a essa mistura de estilos, caracteriza trabalhos de outros episódios do Novo Testamento – ele raramente escolhia temas do Antigo. Cores vibrantes, estrutura geométrica da composição e o uso da arquitetura clássica dão uma verdadeira evidência da influência de Bellini e de Leonardo da Vinci de acordo com sua obra A Adoração dos Magos. Ao mesmo tempo, as figuras e a paisagem de fundo tem caráter singularmente nórdico.

A figura humana vai se tornando cada vez mais o centro da preocupação da arte de Albrecht Dürer. Seus estudos sobre o nu eram incessantes, e durante sua primeira visita a Veneza copiou os nus clássicos dos artistas italianos e dos gravadores Antonio Pollaiuolo e Mantegna e, nos próprios desenhos, pinturas e em sua notável gravura – A Queda do Homem, Albrecht Dürer procurou uma fórmula que representasse o corpo – uma linha mestra que resultasse na perfeita proporção entre cabeça, tronco, braços e pernas.

Embora tenha constatado que havia diversas fórmulas e nenhuma medida confiável para a beleza, tais esforços ampliaram o âmbito de sua obra, ajudando-o a alcançar, na pequena escala de xilogravura ou da gravura em metal, a mesma grandeza que os artistas italianos conquistaram em seus quadros e afrescos.

As gravuras e mesmo os quadros de Albrecht Dürer também surpreendem pela maestria nos mais diminutos detalhes. Elaborava infindáveis estudos de mãos, cabeças, objetos domésticos, plantas e animais: “O mínimo detalhe deve ser realizado o mais habilmente possível”, dizia, “nem as menores rugas e pregas devem ser omitidas”. Tinha verdadeira fascinação pelo mundo natural, assim como Da Vinci que era seu contemporâneo e tinha verdadeira obsessão por determinados temas; Dürer desenhava e pintava indistintamente tudo que via. Acreditava que “a autêntica arte está contida na natureza e aquele que consegue aprendê-la a alcança”.

Essa fidelidade à natureza estava expressa em seus brilhantes esboços em aquarela do cenário alpino – únicos em seu tempo. Suas gravuras em metal são consideradas suas maiores obras. Combinando a impressão xilográfica com a gravação ornamental em ouro e prata, adequava-se particularmente a ele, devido à sua experiência como ourives.

O próprio Albrecht Dürer recortava o desenho sobre uma chapa de cobre, utilizando um buril metálico, como um cinzel delicado, o que exigia muita paciência, acuidade visual e firmeza nas mãos. Os impressores, então, aplicavam tinta nas ranhuras entalhadas e pressionavam a chapa sobre um papel úmido.

As gravuras de Albrecht Dürer exibem surpreendentemente variedade de tons e de texturas, além das sutis variações de luz e sombra. Não são apenas as gravuras de maior apuro técnico já produzidas; expressão mais que isso, uma gama de sentimentos nunca vista antes em escala tão pequena.

A habilidade e originalidade de Albrecht Dürer, atingem um nível sem paralelos, particularmente em três gravuras riquíssimas, O Cavaleiro, a Morte e o Demônio, Melancolia I e São Jerônimo em Seu Estúdio. Albrecht Dürer com seu insaciável apetite artístico pela experimentação se desenvolveu em várias formas de expressão: foi um dos primeiros artistas a usar o novo processo da água-forte em metal.
Desnecessário dizer que sou fã dele também, né?

O mundo mágico de Escher

Durante sua vida Escher fez 448 litografias, xilogravuras, gravuras em madeira, desenhos e esboços. Como alguns de seus predecessores – Michelangelo, Da Vinci, Dürer e Holbein – Escher também era canhoto.

Escher ilustrou livros, criou tapeçarias, selos postais e murais. Maurits Cornelis Escher nasceu em Leeuwarden, Holanda, e foi o quarto e mais novo filho de um engenheiro civil. Após cinco anos a família se mudou para Arnhem onde Escher passou a maior parte da sua juventude.

Após ser reprovado nos exames do ensino médio, Escher foi matriculado na Escola de Arquitetura e Artes Decorativas em Haarlem.

Após apenas uma semana na escola, Escher informou ao seu pai que desejava estudar artes gráficas em vez de arquitetura. Ele mostrou seus desenhos ao seu professor e gráfico Samuel Jessurun de Mesquita, que o encorajou a seguir este caminho. Sábia decisão.

Escher tornou-se famoso por suas chamadas estruturas impossíveis, com trabalhos como: Ascendente e Descendente, Relatividade, Metamorfose I, Metamorfose II e Metamorfose III, Céu e Água I e Répteis.

Além de gênio da Geometria Descritiva, Escher também dominava a Ótica.

Escher jogou com a arquitetura, a perspectiva e espaços impossíveis. Sua arte continua a surpreender e a admirar milhões de pessoas em todo o mundo. Em seu trabalho, nós reconhecemos uma minuciosa observação do mundo que nos rodeia e as expressões de suas próprias fantasias. M.C. Escher mostra-nos que a realidade é maravilhosa, compreensível e fascinante.

O mundo mágico de Escher – Portal de Itaipu

 

 

A exposição com obras de M. C. Escher está em São Paulo, no Centro Cultural Banco do Brasil, até 17 de julho de 2011, e jáq foi vista por mais de um milhão de pessoas no Brasil. Se estiver em São Paulo, não perca.

O Mundo Mágico de Escher
Até 17 de julho de 2011
Local: CCBB-SP
Endereço: Rua Álvares Penteado, 112, Centro/ Próximo às estações Sé e São Bento do Metrô
Horário: terça a domingo, das 9h às 20h

Classificação: Livre
Entrada Franca

Sou fã dele, tomara que a exposição venha  pra Curitiba também. : ]

Atenção canhotos do Brasil, a igreja do Bule Voador está promovendo uma cruzada contra nós, canhotos: reaja e diga não ao preconceito contra os canhotos, contra a canhotofobia! 😛 Segue o texto convocando para a marcha anticanhotismo:

Já não bastam os problemas educacionais do Brasil, agora cada vez mais as pessoas estão afrontando os valores da família brasileira. Nossa sociedade está cada vez mais libertina, a mídia cada vez mais amoral, e agora tentam instrumentalizar o Estado para incentivar e coadunar com a iniquidade em nosso país.

Primeiro o Ministério da Educação aprova um livro que ensina a falar errado, agora o MEC quer ensinar nas escolas que também não existe jeito certo de escrever.

Basta! Nós, brasileiros direitos, não vamos ser enganados: sabemos muito bem que há um jeito de escrever direito, de cozinhar direito, de dirigir direito, de se pentear direito. A verdade que o MEC e, é claro, os esquerdistas (o nome já diz tudo) querem esconder está clara até no dicionário:

DESTRO: adj. Perito; ágil; sagaz; hábil; jeitoso. des.tro

(Silveira Bueno, FTD, 2000.)

Diversidade tem limites. Nós temos o direito de não deixar que nossas crianças sejam alvo de propaganda de opção manual, qualquer que seja.

Não somos canhotofóbicos: amamos os canhotos, mas não podemos ser obrigados a apoiar a prática do canhotismo. Consideramos esta opção manual uma aberração da natureza, uma degeneração dos propósitos para os quais nosso Criador nos fez. Ele criou a mão direita para que ela fosse nosso instrumento sagrado de trabalho (ou lazer), e a mão esquerda para que seja um belo instrumento de apoio ou complementação ao que faz a mão direita, e não o contrário como fazem os canhotos!

No Sagrado Papiro da nossa religião, a verdade nos foi revelada tal como está no dicionário: o canhoto é o sinistro, o impuro, e o mal estará sobre tudo o que é feito com a mão esquerda. O canhoto é um insensato que escolhe uma forma imunda de agir, e todo canhoto ferverá no chá eterno do Bule Voador – que o chá esteja nele.

O Bule Voador – que o chá esteja nele – ama os canhotos, mas odeia o canhotismo. O Bule Voador – que o chá esteja nele – é uma infusão pura de amor, mas também é fervura consumidora. Ele nos criou DESTROS, de sua própria porcelana santa.

Se continuarem nossas políticas públicas condescendentes, que fazem apologia do canhotismo, o Brasil estará assinando o atestado de ser uma ditadura canhota que cerceia nossa liberdade religiosa e nossa liberdade de expressão.

Quantas vezes mais pessoas morrerão no trânsito por causa de motoristas canhotos, falsamente descritos pela mídia canhota como “bêbados”? Quantas vezes mais açougueiros que se dizem médicos deformarão e matarão em cirurgias por usar a mão imunda (esquerda)?

A mídia canhota internacional é tão influente que criou uma série com um assassino chamado “Dexter” (destro) para fazer sua propaganda pecaminosa! E esta moda está se infiltrando no Brasil.

Não é à toa que todos os movimentos políticos que mais mataram na História são aqueles que se alinham com os que estavam à esquerda do rei da França (a “Esquerda” política)!

Chega de destrofobia: participe da 1ª Marcha Anticanhotismo da Família com o Bule pela Liberdade. Vamos à marcha!

Embebido em Sua Graça,

Eli Vieira

Diácono da 2ª Diocese Buleira Losangular do Sétimo Chá de Porto Alegre.

#MarchaANTIcanhotismo da família com o Bule pela #liberdade

Observação minha: não esqueçam de ler os comentários no site do Bule Voador. E pra quem leva tudo a sério, é brincadeira, é uma paródia com a marcha contra a PL122 organizada por evangélicos, mas poderia ser verdade, se a humanidade não tivesse evoluído um pouquinho da inquisição pra cá.

E parabéns ao pessoal do Bule Voador, pela paródia extremamente criativa.

Canhoto da Paraíba

Se a escola de violões é a melhor do mundo, Francisco Soares de Araújo, o Canhoto da Paraíba, é um dos mais surpreendentes expoentes. Seus choros têm um sotaque nordestino delicioso. Seu estilo de tocar é único. Como era obrigado a compartilhar o instrumento com os irmãos, não podia inverter as cordas, o que o fez tocar em um instrumento afinado para destros. O pai não conseguia ensinar-lhe: “Ih, meu filho, tem jeito não. Pra lhe ensinar tem que botá de cabeça pra baixo ou diante de um espelho”. Teve que aprender tudo sozinho.

Em 1959, uma legendária excursão de músicos nordestinos viajou dias de jipe com destino à casa de Jacob do Bandolim no bairro de Jacarepaguá no Rio de Janeiro, onde aconteciam os maiores saraus da época. Reza a lenda, que no primeiro sarau em que se apresentaram para a nata dos músicos brasileiros, Radamés Ganttali ficou tão impressinado que gritou um palavrão e jogou seu copo de cerveja no teto. Para recordar o momento, Jacob nunca limpou a mancha no teto. Considerando o temperamento explosivo de Radamés e o virtuosimo de Canhoto, a história até é factível, pena que parece que é falsa. Histórias saborosas assim todo mundo deveria acreditar. O fato é que esta reunião foi tão impactante, que um moleque que a assistiu, filho de um dos músicos participantes, resolveu por causa disso aprender música. Hoje ele é conhecido como Paulinho da Viola.

Estabelecido em Recife, desde 1958, somente dez anos depois, Canhoto da Paraíba conseguiu gravar seu segundo disco, Único Amor pela finada gravadora Rozenblit. Este disco é que está sendo agora relançado em CD, com apoio de João Florentino, dono da rede de lojas Aky Discos e do selo Polysom. Entre tantos ótimos violonistas na cidade na época, Canhoto surpreendeu na escolha de quem iria acompanhá-lo. Escolheu o jovem Henrique Annes, de 22 anos e formação clássica. Francisco Soares sabia das coisas. Henrique veio a se tornar um dos maiores violonistas brasileiros, e fez parte de alguns dos mais interessantes projetos instrumentais, como a Orquestra de Cordas Dedilhadas de Pernambuco (que tem um maravilhoso disco relançado em CD) e lidera o grupo Oficina de Cordas. Se achou esta dupla pouco, é que ainda não sabe quem foi o produtor musical do disco. Nada menos do que o maestro Nelson Ferreira, que, o maior maestro/orquestrador de frevos que já existiu.

Canhoto veio a gravar apenas mais dois discos de carreira, ambos antológicos. Em 77, Paulinho da Viola produziu para a Discos Marcus Pereira o “Com mais de Mil”. Esse disco já foi lançado em CD, mas os babacas da EMI trataram de tirar de catálogo quando compraram o acervo da Copacabana. Pela finada Caju Music gravou em 1993, seu último disco, “Pisando em Brasa”, com as participações especiais de Rafael Rabello e Paulinho da Viola. Ainda pode-se encontrar este disco em CD pela Kuarup. Recentemente saiu em CD sua entrevista para o programa Ensaio da TV Cultura. Em 1998, Canhoto sofre uma isquemia cerebral e fica com o lado esquerdo do corpo paralizado, impossibilitando-o de tocar.

Se você não tá levando fé no que estou escrevendo — Ora, como um violonista que quase ninguém ouviu falar pode ser tão bom? — vou transcrever aqui a opinião de duas pessoas que entendem muito mais de música do que eu. Uma é o Paulinho da Viola, que não só produziu seu primeiro disco, como rodou o país com Canhoto pelo Projeto Pixinguinha. Paulinho dizia que era comum Chico Soares roubar o show, sendo muito mais aplaudido do que ele. Paulinho também gravou em seu primeiro disco de 1971 o belíssimo choro “Abraçando Chico Soares”, que fez no estilo de composição do amigo. Veja o que Paulinho diz sobre ele:

“Eu não queria participar daquelas rodas (de choro) como músico. Quando vi o Canhoto tocar fiquei tão entusiasmado que me toquei. Era tão sublime, tão tecnicamente perfeito. Acho que o Canhoto me influenciou a tocar, mais do que meu pai e Jacob (do Bandolim).”
Paulinho da Viola

Quer mais? Então veja este trecho de entrevista de um dos mais perfeccionistas músicos brasileiros, Jacob do Bandolim. Ele está mostrando uma gravação e falando de 1959, quando recebeu a excursão de músicos nordestinos em sua casa. Veja que ele se refere a Canhoto por seu apelido de “Sacristão”, que ganhou quando criança como assistente do padre de sua cidade. Fala aí, Jacob:

“… O problema aqui nesta gravação do Chico Soares reside apenas em que vocês pra executarem estas músicas gravadas, vocês vão virar canhotos de uma hora para outra. E só assim, porque o homem tem o diabo no corpo. … Nós vivíamos a correr de um lado para outro, a tocar para uns, para outros, e todos queriam conhecer o Sacristão, que aliás era o vedete do grupo. E observe bem que você não vai encontrar qualquer erro da parte dele. Quero afirmar a você, sob palavra, que durante os 15 dias que esse homem permaneceu aqui, em nossa casa em Jacarépaguá, este homem repetiu estas músicas várias vezes, dezenas e dezenas de vezes, em vários lugares, nas condições mais absurdas, sentado confortavelmente ou não, num ambiente agradável ou não … , nas condições mais absurdas. De manhã cedo, às 6h da manhã, ele às vezes me acordava tocando violão. Adormecia tocando violão. Dentro de uma simplicidade tremenda sem errar nem uma nota! Eu nunca vi Sacristão errar uma nota! … o homem tocava mesmo, não era brincadeira. Os outros tinham suas falhas, suas emoções, suas emotividades, mas o Chico Soares, não. Tocava rindo na minha cara, com um sorriso muito ingênuo de quem não estava fazendo nada de mais. Um artista enterrado lá em Recife … é digno de toda nossa admiração, de todo nosso respeito, porque ele encarna nesta figura, uma porção de brasileiros que vivem enterrados por estes rincões afora, verdadeiros valores completamente no ostracismo …”
Jacob do Bandolim

Canhoto da Paraíba – Samba & Choro

Quer ouvir/ver o canhoto da Paraíba tocando?

Canhoto da Paraíba e Paulinho da Viola – Heineken Concerts – 1994


Pesquisadores da Universidade de Berkeley, na Califórnia-EUA, desenvolveram um dispositivo magnético que pode fazer com que pessoas deixem de utilizar a mão direita para favorecer a esquerda. O dispositivo chama-se Estímulo Magnético Transcranial (TMS, em inglês) e ele afeta a região do córtex parietal posterior, que é a responsável por planejar movimentos.

Naturalmente, todas as pessoas são ambidestras, mas acabam favorecendo uma das duas mãos na hora de escrever ou utilizar determinados equipamentos. Durante os testes, os 33 voluntários (todos destros) não passaram a escrever com a mão esquerda, mas favoreceram a canhota na hora de realizar pequenas atividades, como pegar objetos e apertar o botão do elevador.

A intenção da pesquisa, no entanto, é mais nobre. Segundo Richard Ivry, principal pesquisador da tecnologia, eles pretendem usar o TMS com vítimas de derrames e outras doenças cerebrais, de modo que elas possam favorecer o lado do corpo que eles controlem melhor. Este estímulo ainda poderá ser usado para pacientes recuperarem movimentos de braços ou pernas, recuperando o controle total de seu corpo.

Dispositivo magnético pode fazer você mudar de destro para canhoto

Via Canina Blog

Ser canhoto pode gerar alguns problemas para o dia a dia. Usar um abridor de lata ou uma tesoura, comer à mesa com outras pessoas, coisas simples assim necessitam inevitavelmente de certas adaptações. Já em alguns esportes, como futebol, baseball, esgrima e até no judô, há uma vantagem estratégica sobre outros esportistas destros. Além disso, esse grupo de cerca de 10% da população é conhecido por suas habilidades artísticas e criativas. Há até quem afirme que a quantidade de gênios canhotos é maior do que entre destros.

Mas será que outros animais também podem ser canhotos ou destros? Segundo o adestrador Gustavo Campelo, cães podem até mesmo ser ambidestros. “Segundo dados próprios, percebo que como nós, a maioria dos cães são destros e alguns canhotos.” No entanto, pesquisas a respeito do assunto são bem confusas. Alguns estudiosos afirmam quem no mundo animal a porcentagem é meio a meio. “Mas pesquisas recentes dizem que machos tendem a ser canhotos, enquanto fêmeas são destras. Em aproximadamente oito anos testei esse dado em todos os cães que atendi e não consegui chegar a essa conclusão”, afirma Campelo.

QUER saber se seu cachorro é destro, canhoto ou ambidestro? Então leia abaixo a estratégia que o especialista em comportamento animal, Gustavo Campelo, usa com seus cães.

“O EXERCÍCIO com cães que utilizo para descobrir se são canhotos, destros ou ambidestros é fazê-los girar em torno de si mesmo em 360 graus. Utilizo um petisco para ajudar. A grande maioria gira com facilidade para o lado direito. Alguns, para o lado esquerdo e raros cães giram com facilidade para os dois lados. Um outro dado interessante é que tenho percebido que os ambidestros respondem ao treinamento de obediência com uma velocidade muito maior que os outros.”

Cães podem ser destros, canhotos ou ambidestros – Love Pet