Feeds:
Posts
Comentários

Archive for setembro \27\UTC 2009

Durante séculos, a utilização da mão esquerda foi associada à falta de habilidade e até à presença de seguidores do demônio na Terra

Para azar dos canhotos, em quase todas as culturas, o lado esquerdo sempre foi associado a todo tipo de coisa ruim. Já o que havia de bom ficava sempre à direita. Acrescendo-se o fato de os canhotos serem uma minoria, estava pronta a receita para a discriminação e para a perseguição por séculos. Os antigos gregos e romanos tinham o lado esquerdo como inferior e profano. No Corão e na Bíblia cristã, os favoritos de Deus ficam sempre à direita. Por mais de mil anos, a Igreja Católica sustentou que ser canhoto era um sinal do diabo identificando os seus seguidores na Terra. Os muçulmanos proíbem tocar suas sagradas escrituras com a mão esquerda.

Mas nem seria preciso saber disso para ter a dimensão negativa do termo. Basta prestar atenção nas palavras destro e canhoto. O dicionário não perdoa: em português, ser canhoto também significa inábil, desajeitado e desastroso. Enquanto destro é usado também para qualificar alguém que tem destreza, habilidade e agilidade. Em francês, o adjetivo gauche pode servir para chamar alguém de incapaz.

Com todo esse peso cultural sobre as costas, não parece tão bizarro que pais do século passado tenham tentado “salvar” seus filhos. Colocava-se a mão esquerda para trás, às vezes amarrada, e insistia-se para que o filho desenhasse e escrevesse com a direita. No colégio, eram comuns castigos. Hoje, esses fatos arrepiam especialistas e educadores, ainda mais os próprios pais. Eles sequer cogitam estimular uma criança canhota a usar a mão direita. Simplesmente, isso não deve ser feito, garantem.

Uma rápida pesquisa na internet mostra muitas comunidades de canhotos que respondem aos séculos de difamação. A primeira coisa que repelem é a pecha de pobreza intelectual associada ao lado esquerdo. Nesse quesito, não perdoam os destros: Albert Einstein era canhoto. Poderiam parar por aí, mas insistem. A lista de pessoas com mais habilidade com a mão esquerda passa por Isaac Newton, Mozart e, considerado por muitos à altura, Bill Gates.

Mas também é errado imaginar que esse é o passaporte para uma inteligência fora do normal. O neurologista André Palmini explica que a única certeza é que os canhotos têm a habilidade manual controlada pelo lado direito do cérebro. Isso não significa que todo esse hemisfério é mais desenvolvido.

– Não quer dizer que o cérebro é diferente, melhor. O que pode é haver uma distribuição das funções entre os hemisférios que não ocorreria no indivíduo destro. O certo é que um canhoto tem um cérebro muito melhor do que teria se fosse forçado a escrever com a mão direita – diz Palmini.

Mas o que era uma maldição no passado pode acabar sendo motivo de inveja se um ramo de pesquisa avançar. Segundo o neurologista, estudos hoje em desenvolvimento tratam da possibilidade de o indivíduo canhoto ter mais plasticidade cerebral – a adaptação de partes do cérebro para executar a função de outras. Esse arranjo seria benéfico no caso de um trauma cerebral, evitando a perda de funções.

O mito do chute mais forte

Se olharmos no dicionário, ser canhoto significa ter mais habilidade com a mão esquerda. Mas a classificação passa longe de esportes como o futebol. Dentro de campo, canhoto é quem usa a perna esquerda para chutar. Rivelino (acima, à esquerda) e Maradona (D) foram dois exemplos disso.

Segundo o neurologista Jefferson Fernandes, da PUCRS, também vale a determinância genética para o esquerdo da cintura para baixo. Muitas vezes, existe um comando em X: o hemisfério esquerdo controla a habilidade manual (destro) enquanto o direito comanda a agilidade das pernas (canhoto).

Popularmente, criou-se o mito de que jogadores canhotos batem mais forte do que os destros. A neuropsicóloga Mirna Portuguez afirma que isso não existe: as duas pernas, dependendo da musculatura desenvolvida, podem ter a mesma força. O tricampeão mundial Gérson, conhecido como “canhotinha de ouro”, defende a categoria:

– Todo canhoto no futebol se destaca. Ele tem de ser mais inteligente porque faz tudo na contramão. Tem de pensar e ser mais rápido – disse certa vez quando perguntado sobre o assunto.

O que diz a ciência

Inúmeros estudos já estabeleceram relações entre canhotos e as mais variadas características e habilidades. Conheça alguns deles:

Memória

> Canhotos e membros de uma família com grande incidência de canhotos tendem a se sair melhor lembrando eventos (detalhes de uma festa de aniversário ou de um jogo de futebol ocorridos há muito tempo, por exemplo), as chamadas memórias episódicas, do que fatos simples (memórias incidentais, coisas que você aprendeu ao acaso, como o nome do diretor de um filme assistido na semana anterior, a moeda do Japão, onde fica a Torre Eiffel), conhecidas como não-episódicas. O estudo da Universidade de Toledo, em Ohio (EUA), foi publicado na revista Neuropsychology.

Uma minoria discriminada – Zero Hora

Read Full Post »